Início / Ecoturismo / O que fazer no Petar e na região: Cavernas, cachoeiras e trilhas de São Paulo
Uma das piscinas naturais para conhecer na região do Petar

O que fazer no Petar e na região: Cavernas, cachoeiras e trilhas de São Paulo

A região do Petar, no Vale do Ribeira, no interior do estado de São Paulo próximo do interior do Paraná é um dos mais bonitos destinos para conhecer no Brasil.

 

Para nós, é o melhor destino de ecoturismo de São Paulo (e do Paraná, já que o parque fica entre os dois estados).

A região do Petar fica a cerca de 300 km de São Paulo. Uma das melhores rotas para chegar no Petar é pela rodovia Regis Bittencourt, mas existem algumas alternativas para quem vai de carro.

O Petar (Parque Estadual Turístico do Alto Ribeira) e as lugares em torno são famosos pelas cavernas, como a Caverna do Diabo, uma das maiores cavernas do Brasil para visitação, e pelas cachoeiras, como a Cachoeira do Meu Deus, a cachoeira mais bonita de São Paulo, com 55 metros de queda de água.

As cavernas e cachoeiras do Petar e da região, além disso, são protegidas pela Mata Atlântica do Petar e de outros parques ao redor. Ideal para quem quer fazer ecoturismo perto de São Paulo, Curitiba e outras grandes cidades.

O Petar e outras dezenas de reservas ao redor, tanto no estado de São Paulo quanto no interior do estado do Paraná, formam a maior área de Mata Altântica do mundo.

Cachoeira do Meu Deus, a mais bonita cachoeira de SP
Cachoeira do Meu Deus, a mais bonita cachoeira de SP

Não por acaso, essa região e suas reservas de Mata Atântica no Vale do Ribeira é considerada Patrimônio da Humanidade pela Unesco.

Cercada por reservas, as cidades do Petar e dos arredores são isoladas. As principais cidades turísticas da região do Petar são Apiaí, Iporanga e Eldorado. As três cidades oferecem muitas coisas para fazer no Petar.

Para quem quer praticidade, vale a pena ficar em Iporanga, entre Apiaí e Eldorado, que tem boas pousadas, campings e até chalés isolados perto da mata.

Para conhecer bastante coisa no Petar e na região, um dos melhores roteiros é ficar uma noite em Apiaí, no Núcleo Caboclos, e duas ou três noites em Iporanga.

Com um roteiro de 4 noites no Petar dá para fazer muita coisa, mas uma viagem curta cheia de atrações assim é cansativa, já que a maior parte das coisas para fazer nessa região protegida do interior de SP envolvem trilhas ou mesmo se arrastar no chão dentro de cavernas.

Final de semana no Petar – O que fazer

Em um final de semana também dá para conhecer bastante cavernas e cachoeiras no Petar. Um dos roteiros mais indicados é ficar em torno dos Núcleos Santana e Ouro Grosso (ver abaixo) para conhecer algumas das atrações mais representativas do ecoturismo na região.

Apiaí está localizada a 323 km de São Paulo, Iporanga fica a 41 km de Apiaí (a maior parte dessa estrada é de terra) e Eldorado a cerca de 40 km de Iporanga.

As principais atrações do Petar são as cavernas, trilhas, cachoeiras e piscinas naturais. 

É um lugar isolado, em meio a Mata Atlântica protegida, bom para observação de pássaros e da linda flora da Mata Altântica, com árvores gigantes como a figueira e verdadeiros jardins ornamentais naturais de bromélias, samambaias e outras plantas.

NÚCLEOS DO PETAR

Para os turistas, o parque é dividido em três núcleos principais: Caboclos, Santana e Ouro Grosso.

O núcleo de Caboclos é o mais preservado e selvagem do parque e fica mais perto de Apiaí.

Os núcleos de Santana e Ouro Grosso recebem mais turistas e ficam mais fáceis de chegar para quem se hospeda em Iporanga.

Para circular pelos núcleos, é preciso andar por estradas de terra e, na prática, não existe transporte público, por isso é bom pensar em ir no Petar de carro.

As cidades possuem uma estrutura turística razoável, com boas pousadas, mas, em geral, isoladas de restaurantes, bancos, mercados, por isso muitas vezes vale a pena pegar pousadas que sirvam jantar ou tenham cozinha para hóspedes.

Por causa do isolamento, é aconselhável ter uma reserva de dinheiro em notas para situações em que a máquina de cartão não funciona o lugar não aceita cartão.

O Petar é isolado de verdade, por isso não conte com o telefone celular 24 horas nem com a internet funcionando o tempo todo, ainda que sua pousada no Petar ofereça wi-fi.

O que fazer no Petar e na região

Existem em torno de 10 cavernas abertas para visitação no Petar, muitas trilhas e cachoeiras.

Abaixo, listamos algumas das cavernas, trilhas e cachoeiras mais representativas da região, não só as dentro do parque mais famoso. É um roteiro de ecoturismo para fazer em um final de semana, em uma viagem curta perto de SP.

As atrações listadas abaixo estão entre as melhores e mais bonitas coisas para conhecer na região do Petar e do Alto Ribeira e é possível fazer tudo isso em um final de semana, sábado e domingo.

Reserva um dia para conhecer o Núcleo Santana e a Caverna Santana em Iporanga e outro para conhecer a Caverna do Diabo e fazer a Trilha do Vale das Ostras.

Para conhecer o Núcleo Santana, é bom entrar em contato com uma agência turística do Petar com antecedência (ver abaixo link para a Planeta Trilha).

Para visitar as cavernas e trilhas do Petar é preciso de um guia e vale muito a pena entrar em contato com uma agência de turismo do Petar com antecedência para fazer um roteiro personalizado ou participar de um grupo maior para fazer um roteiro pelas cavernas do Petar mais barato.

Caverna Santana – A Caverna Santana fica no núcleo Santana e é uma das cavernas do Petar mais legais para conhecer porque tem uma grande variedade de salões e formações para conhecer.

Entre outras atrações do Núcleo Santana, no vale do rio Betari, estão trilhas e lugares com piscinas naturais para nadar no rio, e cavernas como a Caverna Água Suja e Caverna do Couto, além de cachoeiras nas trilhas até as cavernas.

Para chegar na Caverna de Santana não é necessário enfrentar uma trilha muito grande e difícil a partir da entrada do núcleo, mas os caminhos dentro da caverna são moderados, não é tão fácil de andar lá dentro como na Caverna do Diabo.

Caverna do Diabo – A maior caverna de São Paulo e a mais famosa caverna brasileira está bem preparada para o turismo de aventura.

A Caverna do Diabo conta com iluminação artificial
A Caverna do Diabo conta com iluminação artificial

A caverna fica no Parque Estadual Caverna do Diabo, em Eldorado.

A Caverna do Diabo fica fora dos limites oficiais do Petar, na cidade de Eldorado, mas no meio do caminho entre o centro de Eldorado e de Iporanga.

Dá para comprar na hora a entrada para a Caverna do Diabo, que abre de terça a domingo para visitação turística durante o ano inteiro e eventualmente abre de segunda-feira na alta temporada turística.

O ingresso na Caverna do Diabo custa 20 reais e a visitação é acompanhada por um monitor.

A Caverna do Diabo tem boa estrutura para turistas, com passarelas, iluminação e salões amplos, fáceis de andar, ou seja, o nível de dificuldade para conhecer a Caverna do Diabo é baixo.

Na área da Caverna do Diabo existem trilhas e cachoeiras. Uma das trilhas mais legais para fazer nessa região é a trilha do Mirante do Governador, de onde dá para ter uma bela vista dessa região de Mata Altântica no interior de SP.

A trilha, de mais de 2 km com subidas, é exigente.

Vale das Ostras e Cachoeira do Meu Deus – O Vale das Ostras é cenário de uma das trilhas mais bonitas do Brasil até a Cachoeira do Meu Deus, a mais bonita cachoeira do interior de SP.

A trilha é em Eldorado, na parte de trás da Caverna do Diabo.

A trilha e a Cachoeira do Meu Deus ficam no território de um quilombo e para conhecer é preciso contratar um guia na entrada da trilha.

Existe a opção de ir direto para a cachoeira, pegando um atalho de carro e apenas um pequeno trecho de centenas de metros de mata ou percorrer a trilha do Vale das Ostras, que vale muito a pena.

Visitar apenas a cachoeira é mais barato do que fazer a trilha do Vale das Ostras, já que é obrigatório fazer a trilha com um guia.

A Trilha do Vale das Ostras completa tem cerca de 3 km, com bastante subidas, trechos em que é preciso atravessar o rio, pontes de madeira etc. É uma trilha bem divertida e diversificada, em meio a Mata Altântica, de dificuldade média para difícil.

A recompensa para quem encara a trilha é um caminho com mais de 10 cachoeiras, piscinas naturais com águas cor de esmeralda e as lindas espécies da Mata Altântica, como samambaias, bromélias, figueiras etc.

Dicas sobre o Petar

– Veja mais informações sobre o Petar

Quando visitamos o Petar, contratamos a agência Planeta Trilha para conhecer as cavernas, cachoeiras e trilhas dentro do parque e recomendamos: fomos bem atendidos antes, para tirar dúvidas do roteiro e do que fazer, e o guia conhecia bem a região, era cuidadoso e ajudou bastante o grupo bem variado que explorou os Núcleos de Santana e Ouro Grosso em um final de semana.

Onde ficar no Petar – Pousada das Cavernas

Nós ficamos hospedados na Pousada das Cavernas, que tem chalés simples, limpos e baratos no Bairro da Serra de Iporanga, um bairro isolado ótimo para quem quer aproveitar a natureza.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *